TudoSobreTudo

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Veterinário é proibido de dar consulta grátis e caso gera indignação na web





Publicado em 2 de fev de 2016
O veterinário de São Carlos (SP) Ricardo Fehr, que desde o dia 23 de janeiro passou a não cobrar pelas consultas aos sábados, foi impedido pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) de realizar os atendimentos gratuitos no consultório dele. Indignado, o médico postou um vídeo na internet que já tem mais de 7 milhões de visualizações.

Em nota enviada ao G1, o conselho esclareceu que ações de utilidade pública são aquelas realizadas por entidades sem fins lucrativos como, ONGs, instituições públicas ou entidades e empresas a elas conveniadas, tendo total apoio do órgão quando a sua finalidade estiver vinculada ao atendimento de animais carentes. "Lamentamos que profissionais que estão no mercado desconheçam a legislação que ordena o exercício da profissão", conclui o texto.
Ricardo Fehr começou atender de graça aos sábados em São Carlos (SP).
Postagem repercutiu na internet com mais de 7 milhões de visualizações.

ABSURDO!!! Atendimento veterinário gratuito é proíbido. Que não é utilidade pública em São Paulo





O veterinário Ricardo Fehr Carmargo, impedido de atender gratuitamente, vai abrir uma organização não-governamental



  • O veterinário Ricardo Fehr Carmargo, impedido de atender gratuitamente, vai abrir uma organização não-governamental
O veterinário de São Carlos (SP), Ricardo Fehr Carmargo, que foi impedido pelo CRMV (Conselho Regional de Medicina Veterinária) de atender gratuitamente, aos sábados, animais de pessoas carentes em sua clínica, informou que já iniciou os preparativos para criar uma ONG (Organização Não Governamental) para assim poder realizar os atendimentos.
A instituição está sendo criada com a ajuda de apoiadores sensibilizados pela causa e deve começar a operar formalmente nos próximos meses.
A ONG também já tem nome. Ele irá prestar uma homenagem à irmã, Renata Fehr Camargo, morta em 2008, que emprestará o nome à instituição. "Uma empresa da Capital está nos ajudando com a parte burocrática, para a criação da ONG, e uma empresa de comunicação já está cuidando da nossa logomarca. Não temos prazo para começar a funcionar, mas esperamos que seja o mais breve que a burocracia permitir", disse Aline Camargo, mulher de Ricardo.
Ricardo conta que a ideia tomou forma depois que o CRMV impediu os atendimentos. Ele chegou a pensar em se filiar a uma ONG já existente, mas concluiu que a criação de uma nova instituição seria o ideal. "Eu pesquisei, falei com algumas pessoas, e essa seria uma boa solução. Mas as coisas aconteceram de uma maneira muito rápida e essa ideia de organizar uma ONG foi colocada em prática", disse.
Camargo informou ainda que os atendimentos gratuitos, iniciados por ele em 23 de janeiro, estão suspensos até a decisão do CRMV sobre o caso. "Eles alegam que eu não posso fazer o atendimento e abriram um processo contra mim. Preciso esperar essa decisão, mas estou muito emocionado com o apoio que tenho obtido nas redes sociais", disse,
Ele informou ainda que não tem medo de ser punido pelo CRMV. Se for condenado, as penas variam de advertência até cassação do direito de exercer a profissão. "O que faço é de utilidade pública. Muitos animais nunca teriam condições de passar por uma consulta se não fosse pelo projeto. Não preciso ser uma ONG para fazer um trabalho de utilidade pública mas, se o caminho for esse, vou virar uma ONG. O essencial é ajudar os animais", disse.

Impedido

Camargo anunciou o projeto de oferecer consultas gratuitamente em 15 de janeiro. Em dois sábados, atendeu perto de cem animais, mas foi interrompido, durante o atendimento, pela visita de uma representante do CRMV, que informou que seria aberto um processo na instituição contra ela.
No entender do Conselho, a ação vai contra o artigo 20 do Código de Ética da categoria, que informa que "ao médico veterinário não é permitida a prestação de serviços gratuitos ou por preços abaixo dos usualmente praticados, exceto em caso de pesquisa, ensino ou de utilidade pública".

Veterinário proibido de atender carentes recebe apoio para abrir ONG

O veterinário Ricardo Fehr Carmargo, impedido de atender gratuitamente, vai abrir uma organização não-governamental

  • O veterinário Ricardo Fehr Carmargo, impedido de atender gratuitamente, vai abrir uma organização não-governamental
O veterinário de São Carlos (SP), Ricardo Fehr Carmargo, que foi impedido pelo CRMV (Conselho Regional de Medicina Veterinária) de atender gratuitamente, aos sábados, animais de pessoas carentes em sua clínica, informou que já iniciou os preparativos para criar uma ONG (Organização Não Governamental) para assim poder realizar os atendimentos.
A instituição está sendo criada com a ajuda de apoiadores sensibilizados pela causa e deve começar a operar formalmente nos próximos meses.
A ONG também já tem nome. Ele irá prestar uma homenagem à irmã, Renata Fehr Camargo, morta em 2008, que emprestará o nome à instituição. "Uma empresa da Capital está nos ajudando com a parte burocrática, para a criação da ONG, e uma empresa de comunicação já está cuidando da nossa logomarca. Não temos prazo para começar a funcionar, mas esperamos que seja o mais breve que a burocracia permitir", disse Aline Camargo, mulher de Ricardo.
Ricardo conta que a ideia tomou forma depois que o CRMV impediu os atendimentos. Ele chegou a pensar em se filiar a uma ONG já existente, mas concluiu que a criação de uma nova instituição seria o ideal. "Eu pesquisei, falei com algumas pessoas, e essa seria uma boa solução. Mas as coisas aconteceram de uma maneira muito rápida e essa ideia de organizar uma ONG foi colocada em prática", disse.
Camargo informou ainda que os atendimentos gratuitos, iniciados por ele em 23 de janeiro, estão suspensos até a decisão do CRMV sobre o caso. "Eles alegam que eu não posso fazer o atendimento e abriram um processo contra mim. Preciso esperar essa decisão, mas estou muito emocionado com o apoio que tenho obtido nas redes sociais", disse,
Ele informou ainda que não tem medo de ser punido pelo CRMV. Se for condenado, as penas variam de advertência até cassação do direito de exercer a profissão. "O que faço é de utilidade pública. Muitos animais nunca teriam condições de passar por uma consulta se não fosse pelo projeto. Não preciso ser uma ONG para fazer um trabalho de utilidade pública mas, se o caminho for esse, vou virar uma ONG. O essencial é ajudar os animais", disse.

Impedido

Camargo anunciou o projeto de oferecer consultas gratuitamente em 15 de janeiro. Em dois sábados, atendeu perto de cem animais, mas foi interrompido, durante o atendimento, pela visita de uma representante do CRMV, que informou que seria aberto um processo na instituição contra ela.
No entender do Conselho, a ação vai contra o artigo 20 do Código de Ética da categoria, que informa que "ao médico veterinário não é permitida a prestação de serviços gratuitos ou por preços abaixo dos usualmente praticados, exceto em caso de pesquisa, ensino ou de utilidade pública".

  • Proprietário e Médico Veterinário na empresa Hero Pet
46.925 seguidores
1 de fevereiro às 10:59São Carlos
DADE PÚBLICA, PEÇO QUE ASSISTAM O VÍDEO DO MOMENTO EM QUE A FISCAL TENTA EXPLICAR PARA MEU ADVOGADO, O PORQUE DE EU NÃO PODER AJUDAR AS PESSOAS, COM O MEU DINHEIRO, E COM MEU TEMPO !! SE VOCÊ ACHA QUE ESSE TIPO DE SERVIÇO É DE UTILIDADE PÚBLICA, PEÇO QUE ASSISTA , CURTA E COMPARTILHE , VAMOS FAZER ESSE VÍDEO VIRAR UM ABAIXO ASSINADO DE TODOS QUE ACHAM QUE ESSE É UM SERVIÇO DE UTILIDADE PÚBLICA , VAMOS CONTINUAR LUTANDO POR UM MUNDO MELHOR PARA OS ANIMAIS CARENTES !!!NO PAIS DA CORRUPÇÃO AJUDAR O PRÓXIMO É PROIBIDO!!!!

Camargo afirmou ainda que espera que a intensa repercussão do caso -- um vídeo gravado por ele onde o profissional conta que foi impedido de fazer os atendimentos já bateu as 7 milhões de visualizações, e uma petição pública online para que o CRMV volte atrás em sua decisão já teve mais de 60 mil assinaturas.
"Tive muito apoio, mais de 5 mil advogados me procuraram querendo defender a minha causa gratuitamente. Espero que essa intensa repercussão tenha efeitos práticos", disse.


Partículas plásticas de cosméticos colocam vida marinha em risco

Seu esfoliante facial preferido pode estar custando caro ao oceanos. De acordo com um estudo feito na Universidade de Plymouth, no Reino Unido, os esfoliantes e cosméticos que usam partículas plásticas têm as partículas incorporadas a outras substâncias e, por serem tão pequenas, não são captadas em processos convencionais de tratamento de esgoto, sendo lançadas diretamente em rios e oceanos. Um outro estudo recente apontou que a maioria das aves marinhas já comeram plástico vindo do oceano, e cientistas preveem que que esse percentual chegará a 99% até 2050
A cada uso, quase 100 mil partículas microscópicas deste material podem ser lançadas em rios e oceanos, depois do tratamento de esgoto. Os microplásticos são utilizados para substituir compostos esfoliantes naturais e foram encontrados em uma enorme variedade de produtos, como sabonetes, creme dental, espuma de barbear, espuma de banho, protetor solar e xampu.
Conforme a pesquisa, liderada pelo doutorando Imogen Napper, a estimativa é de que somente no Reino Unido, o consumo desses produtos descarte cerca 80 toneladas de resíduo microplástico nos oceanos anualmente.
Para esse estudo, os pesquisadores escolheram esfoliantes faciais que continham plástico entre seus compostos e os submeteram à filtragem a vácuo para isolar as partículas. Usando um microscópio poderoso, eles contabilizaram entre 137 mil e 2,8 milhões de nanopartículas plásticas a cada 150 ml dos produtos.
Segundo o professor Richard Thompsom, que participou da pesquisa e estuda os efeitos do lixo no ambiente marinho há mais de 20 anos, o uso desses produtos leva à contaminação desnecessária dos oceanos por milhões de partículas de microplásticos.
"Existe uma grande preocupação em relação ao acúmulo dessas partículas no ambiente. Nosso trabalho anterior mostrou que essas partículas podem ser ingeridas por peixes e crustáceos e existem evidências de estudos laboratoriais de efeitos adversos nos organismos marinhos", disse ao site Science Daily.

Ex-presidente do Uruguai diz que Lula lhe confidenciou um crime contra o Estado brasileiro. Babalorixá de Banânia tem de ser convocado a depor na CPI do Petrolão! Já!

Luiz Inácio Lula da Silva, sim, ele mesmo!, tem tanta intimidade com as grandezas do universo que já se referiu à Terra como “planetinha”. Tudo é uma questão de ponto de vista, não é mesmo? Pensem bem: o que é o universo perto de Lula? Mera distração de Deus nas horas intersticiais do tédio. O Senhor pensou grande mesmo quando deu à luz o Babalorixá de Banânina. Aí desafiou: “Agora eu vou mostrar para Michelangelo quem é o verdadeiro Michelangelo…”.
O Altíssimo se referia, claro!, àquele momento em que o artista, depois de esculpir Moisés, deu-lhe num toquezinho no joelho e disse: “Parla” (“fala!), tal era a perfeição da obra. Sim, meus caros, Lula é um Moisés que rivaliza com o próprio — ele também abre os mares se preciso — e supera o de Michelangelo: afinal, fala! Pelos cotovelos! Por isso mesmo, dada essa grandeza, Lula deve agora explicações ao mundo.
Como o mundo não se interessa mais pelas coisas que ele diz e pensa; como ninguém mais se importa com a personagem acidental que Marilena Chaui achava poder revolucionar a filosofia, basta, então, que se explique à CPI do Petrolão. Convocá-lo passou a ser, agora, um imperativo moral. E por quê?
José Mujica, o esquisito que já governou o Uruguai, e que também fala pelos cotovelos, revelou num livro-depoimento chamado “Una Oveja Negra al Poder” — “Uma ovelha negra no poder” —, escrito pelos jornalistas Andrés Danza e Ernesto Tulbovitz, que, em 2010, o Moisés de Garanhuns e de São Bernardo lhe confidenciou que o mensalão “era a única forma de governar o Brasil”. Vale dizer: Mujica afirma em seu depoimento que Lula lhe confidenciou um crime contra o Estado brasileiro.
Notem: o que foi o mensalão? Consistia no uso de recursos públicos e privados para formar uma espécie de estado paralelo. O que é o petrolão? Trata-se de um mensalão muito mais ousado, em que, da mesma forma, recursos públicos e privados são empregados para capturar o estado.
Mujica e Lula são companheiros à esquerda. Ambos se dizem socialistas, ainda que um cultive o socialismo à brasileira, e o outro, à uruguaia. Refiro-me, claro!, a dois exotismos sem paralelo no mundo, hoje ou em qualquer tempo. Em comum, no entanto, eles têm aquele papo furado contra as elites, contra os conservadores, contra a tradição…  Cada um deles, também, é irresponsável a seu modo. De toda sorte, duvido que Mujica esteja mentindo. Lula certamente lhe fez mesmo aquela “confidência”, até porque é os que petistas vivem dizendo por aí.
Num debate eleitoral na televisão, em 1986, o empresário Antônio Ermírio de Moraes, que morreu no ano passado, afirmou que “a política é a arte de pedir voto aos pobres, dinheiro aos ricos e mentir aos dois”. Lula, como ninguém, levou adiante essa máxima.
Em entrevista recente ao jornal espanhol El País, afirmou Mujica: “A esquerda morre quando a cobiça de se fazer dinheiro entra na política. Por que a corrupção prolifera tanto? Parece sensato que pessoas de 60, 70 anos se emporcalhem com uns pesos imundos? Eles sabem que têm pouca vida pela frente. O tema de ter dinheiro para ser alguém pode ser uma ferramenta de progresso no mundo do comércio, onde se correm riscos empresariais, mas estamos fritos quando se mete na política. Isso aconteceu na Itália, em parte da Espanha. É inexplicável o que se passa no Brasil”.
Não é inexplicável, não! É muito explicável! Mujica, mesmo sendo meio doidivanas, não assumiu o poder com o propósito de aniquilar as demais forças políticas, de se estabelecer como partido único, de eliminar a oposição. Também não tinha e não tem a ambição de liderar a esquerda latino-americana.
O nosso Moisés tinha propósitos maiores, não é? Tanto é assim que criou o Foro de São Paulo, com Fidel Castro. Lula deveria ter feito outra confissão a Mujica: “É impossível dar um golpe nas instituições, como queremos, sem recorrer a coisas como o mensalão”. Aí, sim, estaria a dizer a verdade.

Faça um Bom Negócio, Fora Dilma!





Queen - The Show Must Go On (Official Video)







Subscribe to the Official Queen Channel Here http://bit.ly/Subscribe2Queen Queen- The Show Must Go On (promo video, 1991) 


Espaços vazios - o que estamos a viver?
Lugares abandonados - eu acho que sabemos a pontuação..
E continua!
Alguém sabe o que estamos procurando?
Outro herói - mais um crime sem sentido.
Por trás da cortina, na pantomima.
Aguentem a linha!
Alguém quer tomar mais isso?
O show tem que continuar!
O show tem que continuar! Sim!
Dentro do meu coração está despedaçado,
A minha maquilhagem esvai-se,
Mas o meu sorriso, continua, continua!
Aconteça o que acontecer, eu vou deixar tudo ao acaso.
Outra mágoa - mais um romance falhado.
E continua...
Alguém sabe o que estamos a viver?
Acho que estou aprendendo
Eu devo ser mais quente agora..
Em breve vou estar virando, virando a esquina agora.
Lá fora o amanhecer está a quebrar,
Mas lá dentro no escuro estou pretendendo ser livre!
O show tem que continuar!
O show tem que continuar! Sim, sim!
Ooh! Dentro do meu coração está quebrando.
A minha maquilhagem esvai-se...
Mas o meu sorriso, continua, continua!
Sim! Oh oh oh
Minha alma é pintada como as asas das borboletas,
Contos de fadas de ontem vão crescer mas nunca morrem,
Eu posso voar, meus amigos!
O show tem que continuar! Sim!
O show tem que continuar!
Vou encará-lo com um sorriso!
Eu nunca vou desistir!
Continuar com o espectáculo!
Vou topo o Bill!
Vou Overkill!
Eu tenho que encontrar a vontade de continuar!
Continuar com o espectáculo!
Continuar com o espectáculo!
O show deve continuar.


Policial faz mulher sentar-se no carro com os vidros fechados para experimentar o que seu cão passou


 
Uma moradora da cidade de Strongsville, Ohio, EUA, deixou seu cão trancado em seu carro sob um sol escaldante enquanto fazia suas compras. Um policial foi alertado por um cidadão preocupado com o cão. Quando a mulher saiu do local onde fazia suas compras, o policial mandou que a mulher se sentasse no carro por alguns minutos com os vidros fechados para que ela pudesse sentir o que seu cão passou. Quando perguntada como se sentia, a mulher disse que estava bem. Mas o policial notou que ela parecia desconfortável.

Aqueles que mudaram a história não foram nem os cortesãos nem os assistentes dos cardeais, mas aqueles que souberam dizer 'não'.

Siamo Tutti in Pericolo
"(...) - Fala de um pensamento mágico que não apenas procuro mas no qual acredito, e não porque me considere uma espécie de feiticeiro, mas porque sei que batendo sempre no mesmo prego é possível derrubar uma casa.
Aqueles que mudaram a história não foram nem os cortesãos nem os assistentes dos cardeais, mas aqueles que souberam dizer 'não'.
A recusa sempre foi um gesto essencial e, na verdade, para funcionar deve ser grande, absoluto, absurdo. 
O bom senso nunca conseguiu parar a 'situação'.
Veja bem, são três os discursos:
-> qual é 'a situação'?
-> Por que razão pará-la ou destruí-la?
-> E de que forma?
.- Bem, descreva 'a situação'. Tu sabes perfeitamente que a tua escrita e a tua linguagem tem o efeito da luz do sol que atravessa a poeira. Que é uma bela imagem mas é difícil de entender.
- Sim, obrigado pela imagem do sol, mas a minha pretensão é bem menor. Pretendo somente que todos acordem desta tragédia. Qual é a tragédia? A tragédia é que não existem mais seres humanos, somente estranhas máquinas que se batem umas nas outras. E essa tragédia começou com aquele universal, obrigatório e perverso sistema de educação que forma a todos nós, desde as ditas classes dirigentes até os pobres. Que nos joga a todos dentro da arena do 'querer tudo' cada coisa a qualquer preço. Daí a razão pelo qual todos querem as mesmas coisas e se comportam do mesmo modo. Por isso, se tenho em mãos um conselho de administração ou uma manobra financeira, uso tudo isso. Ou posso usar um porrete. E quando decido usar um porrete eu uso minha violência para obter aquilo que quero. Por que eu quero? Porque me disseram que é uma virtude querer. Eu exercito meu direito, minha virtude. Sou um assassino, e sou um grande homem. Dessa forma, hoje as pessoas se matam sem escrúpulos. Por isso o panorama mudou, agora existe o desejo de matar e esse desejo nos liga a todos como irmãos sinistros na derrocada sinistra de um sistema social inteiro que fabrica gladiadores, todos educados para ter, possuir e destruir.
- Vês-nos como pequenos pastores sem educação escolástica, ignorantes mas felizes.
- Vou te dizer francamente: eu desço ao inferno e sei muitas coisas que ainda não tiram a paz dos outros. Mas fiquem atentos. O inferno vai chegar em vocês. É verdade que ele usa uniformes diversos e coloca diferentes máscaras. Somos todos vítimas e somos todos culpados. Mas a vontade, o desejo de dar a porretada, de agredir, de matar, é forte e está em todos. Não vai restar por muito tempo a experiência privada e arriscada de quem... como posso dizer?!... De que tocou 'a vida violenta'. Não se iludam. E vocês, com a vossa escola, a televisão, a pacatez dos seus jornais, vocês são os grandes conservadores dessa ordem horrenda baseada na ideia de possuir e na ideia de destruir.(...)"
P. P. Pasolini