TudoSobreTudo

quinta-feira, 31 de março de 2016

JESUS TE AMA








quarta-feira, 30 de março de 2016

Leandro Karnal | Minha Felicidade depende de mim







terça-feira, 29 de março de 2016

14 alimentos que rejuvenescem

Antiedad-500x325-500x325
Como todos sabem é impossível evitar o passar dos anos, mas está em cada um de nós o cuidado com o corpo, para que transpareça saudável tanto por dentro quanto por fora. Para isso, lembre-se que seu estado de humor reflete em sua aparência, e também os alimentos que consumimos influenciam bastante nisso.
Existem diferentes alimentos naturais que o organismo necessita para combater o processo de envelhecimento e reduzir sua velocidade, além de ter uma pele suave, jovem e sem rugas. Alguns destes alimentos são muito econômicos e inclusive pode ser que já os consuma normalmente, a ideia é que você inclua estes alimentos em sua dieta diária.

Azeite de oliva

Nos dias de hoje é natural o uso do azeite de oliva na cozinha, graças ao seu preço mais baixo no mercado comparado a antigamente. A oliva traz bastante benefícios, principalmente em relação aos cuidados com o coração e as artérias, ajudando a baixar a pressão arterial. Igualmente, ajuda a prevenir o câncer de mama e mantém a pele hidratada e saudável.

Cerejas

A cereja contém fitoquímicos que trazem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, o que torna a cereja uma fruta antienvelhecimento, já que previne a artrite e a artrose. A cereja também é recomendada para as doenças do coração, posto que limpar a gordura nas artérias.

Verduras de folhas verdes para rejuvenescer

Aipo, couve, brócolis, alface e salsa são algumas das verduras com maior fonte de antioxidantes, os quais se encarregam de combater os efeitos dos radicais livres, principais causadores do envelhecimento celular. Além disso, estas verduras são ideais para aliviar infecções urinárias, problemas digestivos, anemia e dores de dentes.

Abacate

O abacate é rico em gorduras monoinsaturadas, que são especialistas em combater o mau colesterol. Agora falando da pele, graças a sua excelente fonte de vitamina E, o abacate ajuda a manter a pele suave. É muito comum utilizar este alimento em máscaras, especialmente para o cabelo e para o rosto.

O alho

O alho é recomendado para lutar contra as doenças do coração e para a prevenção do câncer. O alho equilibra os níveis de colesterol e melhora a circulação sanguínea.

Aveia

A aveia é um importante alimento para perder peso e gordura graças ao conteúdo em fibras solúveis, o que reduz o apetite. A aveia também é fonte de ácido fítico que previne o câncer.

Morangos

Frutas como o morango, amoras e framboesas, possuem um alto conteúdo de antioxidantes, como também funcionam como analgésicos e anti-inflamatórios. Estas frutas também mantêm a saúde cardiovascular.

Lentilhas

Estes grãos ajudam a manter os ossos fortes, são fontes de ferro, o qual mantém os músculos em forma. As lentilhas também ajudam no trânsito intestinal e o seu consumo é recomendado para quem está de dieta, já que produz uma sensação de saciedade.

Gengibre

Esta raiz é perfeita para controlar a digestão e causa melhorias na circulação sanguínea, alivia as dores reumáticas e é excelente para combater as doenças como a bronquite, pneumonia e a gripe.

Salmão

O salmão é rico em ômega 3, que traz valiosos nutrientes para o corpo. Do mesmo modo, possui antioxidantes que se encarregam de regenerar e hidratar a pele.

Chá verde

O chá verde é favorável principalmente para o coração. Assim como a maioria dos produtos anteriores, esta bebida contém antioxidantes, ideais para lutar contra o envelhecimento e para proteger a pele. Do mesmo modo, o chá verde é utilizado para perder peso, pois aumenta o metabolismo basal e favorece o sistema nervoso prevenindo doenças como o Alzheimer. Você pode aplicar o chá verde na pele para curar queimaduras.

Tomates

O consumo de tomate protege o corpo da luz UV prevenindo as queimaduras solares, também é importante na hora do cuidado da pele, graças ao licopeno presente em sua composição, que também previne o aparecimento de rugas.

Linhaça

A linhaça é rica em fibras e antioxidantes, além de ser fonte de Ômega 3, o qual ajuda a reduzir o colesterol e aumenta a energia. Por sua vez, a linhaça é recomendada para lutar contra a prisão de ventre e a obesidade.

Mel

O mel, além de conter propriedades antioxidantes, umidifica e suaviza a pele, é ideal para curar queimaduras e arranhões, ajuda a cicatrizar e a prevenir infecções em feridas na pele.

Lembre-se

É importante que você inclua estes alimentos em suas refeições diárias e reforce o processo dormindo as horas necessárias, evite o consumo de tabaco e bebidas alcoólicas, tome água constantemente e não se exponha demais aos raios UV.

Suco de berinjela com limão emagrece

120700000.jpg

Rica em fibras solúveis, que garantem saciedade, e antioxidantes, a berinjela ainda tem poucas calorias, impede a absorção de gordura pelo organismo e colabora com a redução dos níveis de colesterol e triglicérides. Não é à toa, portanto, que o alimento pode ser considerado um bom aliado da saúde e do emagrecimento.
O limão também é um verdadeiro coringa em receitas que turbinam a dieta. Boa fonte de vitamina C, a fruta é antioxidante, rica em minerais e ajuda a baixar a pressão arterial. Além disso, ele auxilia na digestão e diminui os níveis de colesterol ruim.
A união da berinjela e do limão gera um bom casamento entre acidez e fibras que, além de promover uma desintoxicação do organismo, acelera o metabolismo, ajudando na perda de peso. Confira a receita de suco de berinjela com limão que emagrecehorrores:

Suco de berinjela com limão

Ingredientes:

  • 1 litro de água​
    Aprenda a preparar a bebida que turbina a perda de peso
    THINKSTOCK
    Aprenda a preparar a bebida que turbina a perda de peso
  • Suco de 2 limões
  • 1 berinjela crua em cubos, com casca

Modo de Preparo:

Bata tudo no liquidificador, acrescentando cubos de gelo, e mantenha na geladeira. É importante consumir a porção ao longo do dia e não deixar mais de 48 horas armazenado para não perder as propriedades

Sob as bênçãos de Lula, governo promove uma ação orquestrada, e agora escancarada, para tentar interferir nos trabalhos da PF. Pelo bem das instituições, a investida do Planalto não encontra respaldo na sociedade e o Judiciário reage


Marcelo Rocha
Nos últimos dias, o governo deflagrou uma ofensiva descarada e sem precedentes na tentativa de interferir na autonomia de investigação da Polícia Federal. Ao lado do Ministério Público Federal e de outros órgãos de fiscalização, a corporação é responsável por desvendar o maior esquema de corrupção do País. Durante a campanha, Dilma orgulhou-se de apoiar a Lava Jato e garantir as condições necessárias para que a força-tarefa destinada a apurar os desvios na Petrobras pudesse atuar. 
1Policia.jpg
Na mira: Polícia Federal vira alvo do PT e de Lula. Associação dos delegados se revolta
“A corrupção não aumentou. O nosso governo investiga e pune mais do que os outros”, repetiu a então candidata como um mantra. Não passaram de palavras ao vento. A partir do momento em que as investigações atingiram o governo e o ex-presidente Lula esteve na iminência de ser preso, a PF virou alvo. A senha foi dada pelo próprio Lula. Acuado pelos recentes desdobramentos da Lava Jato, o petista foi flagrado em ligações telefônicas, monitoradas com autorização do juiz Sérgio Moro, desferindo duras críticas à atuação dos investigadores. 
Num dos grampos, o petista afirmou ao senador Lindbergh Farias (PT-RJ), outro alvo da Lava Jato, que delegados da Polícia Federal não podem “desrespeitar político” e criticou a autonomia dos policiais. “O problema é que nós temos que fazer nos respeitar. O delegado não pode desrespeitar um político, um senador, um deputado, sabe? Não tem sentido”, disse Lula. A fala do ex-presidente, embora pronunciada num telefonema privado, expôs a clara disposição do PT em impor obstáculos às ações dos agentes federais. Não por acaso, as declarações de Lula viraram palavra de ordem no Planalto e no PT. 
Um dia após tomar posse, o novo ministro da Justiça, Eugênio Aragão, a quem a polícia está subordinada, desferiu o mais duro ataque à corporação em pelo menos 20 anos. Disse em entrevista que trocaria a equipe inteira de uma investigação caso fosse detectado algum “cheiro” de vazamento de informações. “Cheirou vazamento por um agente nosso, a equipe será trocada, toda. Não preciso ter prova. A Polícia Federal está sob nossa supervisão”, disse Aragão. As declarações soaram como uma afronta dentro do QG da PF. Um golpe baixo. 
Atuando numa outra frente, mas na mesma ação coordenada, a senadora Gleisi Hofmann (PT-PR) criou um projeto para acabar com os vazamentos em delações premiadas. A proposta é sob medida para proteger companheiros do PT e ela própria, citada na delação do senador Delcídio do Amaral (MS). Na ótica nada republicana de Lula e de integrantes do governo, a PF é uma instituição a ser controlada. Adotando a já conhecida tática da vitimização, o ex-presidente petista atribui a integrantes da corporação uma “obsessão” em prendê-lo e os responsabiliza por vazamentos à imprensa de investigações contra ele e seus familiares. 
2Policia.jpg
Liberdade para investigar?: Delegado exibe camiseta em protesto contra
o empenho do governo em tirar a autonomia da PF
Não só na Lava Jato, mas também na Operação Zelotes, que apura um esquema de corrupção no Carf, o tribunal de recursos da Receita Federal. A Zelotes apura pagamentos realizados por um lobista a Luís Cláudio Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente. Foi a partir do momento em que o escritório de Luís Cláudio sofreu uma devassa da PF que Lula começou a operar nos bastidores para miná-la dentro do governo. Àquela altura, o ministro da Justiça era José Eduardo Cardozo, que passou a ser fritado de maneira inclemente pelo ex-presidente. 
Em entrevista concedida a ISTOÉ em outubro de 2015, Cardozo afirmou ninguém estava acima da lei, dando a entender que não ia poupar ninguém. Depois, pela delação de Delcídio, soube-se que Cardozo até tentou ajudar Dilma a interferir em determinadas ações da Lava Jato, mas não logrou êxito. No final de fevereiro, o marqueteiro João Santana, responsável pelas campanhas petistas, foi alvo da Operação Acarajé. A prisão de Santana e sua mulher Mônica colocou de vez o Planalto no epicentro do Petrolão. 
A ação dos policiais fez com que a pressão contra Cardozo chegasse a níveis insustentáveis dentro do governo, e a presidente Dilma decidiu substituí-lo. Desde então, o clima na PF é péssimo. Azedou de vez depois das declarações de Eugênio Aragão.Numa avaliação dos investigadores da Lava Jato, o conteúdo das conversas monitoradas entre Lula e aliados bem como as afirmações do novo ministro da Justiça deixaram clara a intenção de o ex-presidente em buscar mudanças na equipe encarregada de apurar a corrupção na Petrobras. 
Uma saída para alcançar tal objetivo passaria por mudanças na Diretoria-Geral da PF. Uma das missões do ministro Eugênio Aragão à frente da pasta da Justiça é estudar alternativas para substituir o delegado Leandro Daiello no comando da corporação - a convite de Cardozo, Daiello está à frente da PF desde o primeiro mandato de Dilma Rousseff. Em nota, o ministério informou que Daiello não será substituído. O comunicado cumpriu mera formalidade de tentar mostrar à opinião pública que não há mudança em curso, o que seria vista como intervenção. 
3Policia.jpg
Balanço: Na última semana, a Lava Jato completou dois anos. Em coletiva,
força-tarefa comemorou os resultados.
Nos bastidores, a história é outra. Em reação aos ataques que a PF vem sofrendo, a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) saiu em defesa da corporação. A entidade não descarta ingressar com medidas judiciais e administrativas se considerar que houve arbitrariedade por parte do titular da pasta da Justiça, ao ameaçar trocar os investigadores. Enquanto isso não ocorre, a oposição se apresenta para a tarefa. O deputado Raul Jungmann (PE) protocolou, em nome do PPS, mandado de segurança no STJ pedindo que Aragão seja impedido de transferir qualquer policial que atue na Lava Jato. 
O parlamentar alegou que as declarações do ministro demonstram a “vontade do governo federal de sufocar o andamento da operação”. Na terça-feira 22, a ministra Assusete Magalhães do STJ pediu explicações a Aragão em 72 horas. No final da semana, a Associação dos Delegados se insurgiu contra articulação do Planalto. “A informação de que o diretor-geral da PF poderá ser trocado em razão do descontentamento do governo com a atuação republicana, isenta e imparcial da Polícia Federal, demonstra a fragilidade da instituição e a necessidade urgente de aprovação da PEC 412/2009”, afirmou a associação. 
A PEC 412/2009 tramita no Congresso para dar autonomia orçamentária, administrativa e funcional à Polícia Federal. Percebe-se, pelo tempo de tramitação, que não é assunto consensual no Parlamento. Políticos temem o empoderamento da PF. A Lava Jato é o exemplo melhor acabado disso. Os delgados federais defendem ainda a necessidade de previsão legal de mandato fixo para o cargo de Diretor-Geral. De acordo com a direção da ADPF, as manifestações populares de oposição ao governo demonstraram que a população quer uma “Polícia Federal de Estado, firme e atuante contra a corrupção e o crime organizado”. 
Naturalmente, isso não inclui o ex-presidente Lula e seus aliados: “Você ouviu o delegado da Polícia Federal ontem dizendo que quer autonomia, que a troca de ministro é interferência política?”, perguntou Lula ao senador Lindbergh Farias, numa referência ao delegado Carlos Eduardo Sobral, presidente da ADPF, que criticou a substituição de Cardozo na pasta da Justiça. “Esse delegado tem que tomar no c…, esse delegado tem que ser afastado para não falar merda”, afirmou Lula. 
“Todo mundo quer autonomia… Quem está precisando de autonomia nesse Pais é a Dilma. Que tem o Tribunal de Contas em cima dela, tem o Ministério Público em cima dela, tem a Polícia Federal em cima dela, tem a Justiça…, to certo? Todo mundo quer autonomia, autonomia, vai tomar no c…”, disse o ex-¬presidente, com seu linguajar habitual. Como se nota, não há pudores no PT quando o objetivo é atingir a instituição.
4Policia.jpg

domingo, 27 de março de 2016

Rio rescinde contrato e abandona último legado ambiental da Olimpíada

Rio poluído (esq) deságua em lagoa ao lado de obra do Parque Olímpico do Rio


  • Rio poluído (esq) deságua em lagoa ao lado de obra do Parque Olímpico do Rio






Nenhum dos grandes projetos ambientais ligados à Olimpíada será concluído antes do início dos Jogos. Após o governo do Rio atrasar a despoluição da Baía de Guanabara e a limpeza das lagoas da região do Parque Olímpico, foi a vez da prefeitura abandonar o projeto de recuperação de rios cariocas anunciado com legado da Rio-2016 para a cidade.
A limpeza e canalização dos rios, todos da Bacia de Jacarepaguá, estão previstas no chamado caderno de encargos dos Jogos Olímpicos de 2016 –documento que reúne compromissos assumidos por conta do evento. Mesmo assim, a execução dos serviços prometidos ao COI (Comitê Olímpico Internacional) parou no final do ano passado após sucessivos atrasos.
Por conta desses atrasos, aliás, a prefeitura do Rio rescindiu no final de dezembro o contrato que mantinha com o Consórcio Rios de Jacarepaguá para a recuperação da hidrográfica da região. O consórcio é formado por duas construtoras, a Andrade Gutierrez e a Carioca Engenharia. Ambas estão envolvidas em esquemas de corrupção apurados na Operação Lava-Jato.
As empresas foram contratadas em 2011 para recuperar seis rios cariocas (Covanca, Pechinca, Tindiba, Banda da Velha, Rio Pequeno e Rio Grande). Receberiam quase R$ 236 milhões pelos serviços, que deveriam ter sido concluídos ainda em 2014. Naquele ano, porém, atrasos viraram tema de cobranças administração municipal sobre as empresas. Em 2015, as construtoras foram novamente advertidas. Em dezembro, acabaram afastadas do projeto.
A recuperação dos rios de Jacarepaguá é monitorada pela SMAR (Secretaria Municipal de Saneamento e Recursos Hídricos). No final de fevereiro, o UOL Esporte procurou o órgão para obter informações sobre a rescisão do contrato para limpeza dos rios e o futuro do projeto após o afastamento da Andrade Gutierrez e a Carioca Engenharia. Ainda não obteve resposta.
Em comunicado, a SMAR afirmou que continua agindo para a recuperação da Bacia de Jacarepaguá –não informou como. Segundo o órgão, 14 rios devem ser limpos dentro do projeto atrelado aos Jogos Olímpicos, ao custo de R$ 370 milhões. Em nove deles, as obras já foram concluídas. Em pelo menos três rios, o trabalho está inacabado: Covanca, Pechincha e Tindiba. Todos estavam sendo recuperados pela Andrade Gutierrez e a Carioca.
O prefeito Eduardo Paes minimizou a questão: "Já fizemos quase tudo por lá", afirmou ele, questionado sobre a execução do projeto. "Está tudo praticamente pronto." Procuradas, Andrade Gutierrez e Carioca Engenharia não se pronunciaram.

Legados ambientais 'engavetados'

Além da recuperação da bacia de Jacarepaguá, a prefeitura do Rio se comprometeu a instalar UTRs (unidades de tratamento de rios) em cursos d'água que desembocam na região do Parque Olímpico por conta da Rio-2016. O projeto não saiu do papel. A SMAR informou que a instalação só será feita quando o governo do Estado limpar as lagoas de Jacarepaguá, outro compromisso olímpico.
A limpeza das lagoas não avançou. O governo chegou a assinar um contrato para a execução do trabalho. Problemas no licenciamento ambiental da obra atrasaram seu início. A SEA (Secretaria Estadual do Ambiente) já admitiu que, até o início da Olimpíada, as lagoas não estarão limpas.
O mesmo acontece que a Baía de Guanabara. A despoluição do espaço seria o grande legado da Olimpíada. Estimou-se que, em 2016, 80% do esgoto que é despejado no local seria tratado. O governo do Estado trabalha para que esse percentual chegue a 60% até a Olimpíada.
O único projeto da área de meio ambiente ligado à Rio-2016 que, oficialmente, está em dia é o do saneamento da zona oeste do Rio, tocado pela prefeitura. Acontece que ele, planejadamente, não ficará pronto para a Olimpíada. A expectativa é que só a primeira fase da iniciativa seja concluída para os Jogos.

Ambientalistas lamentam

"Infelizmente, não consigo ver legado ambiental nenhum", afirmou o engenheiro ambiental David Zee, da UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro). "O governo prometeu coisas importantes. Nada saiu do papel, a não ser as arenas olímpicas e as obras de transporte."
Zee acompanha a situação de rios e lagoas de Jacarepaguá. Disse que a recuperação dos espaços beneficiaria toda a população carioca. Ele disse, porém, que o Poder Público não enxergou esse benefício. Preferiu focar esforços em obras de instalações esportivas, as quais "têm uso muito específico. "
"Foi perdido muito tempo. Agora, enquanto inauguramos novos ginásios, os rios que passam ao lado do Parque Olímpico são verdadeiros valões de esgoto."
O biólogo Mario Moscatelli ratifica a avaliação de Zee. Segundo ele, a Olimpíada de 2016 quase não terá legado ambiental. "Nada de estrutural foi feito", disse ele. "Há iniciativas pequenas e pontuais. Mas, levando em consideração o que foi prometido, trocaamos um Porsche V8 por uma Fusca 67."

A mensagem de Sergio Moro ao Povo Brasileiro: lutem e não desistam neste momento histórico



Veja o que acontece quando você passa gelatina nos cabelos

Gelatina-cabelo-580x300
Mais uma super-receita para deixar seus cabelos com uma aparência sensacional.
E desta feita o ingrediente-chave é a gelatina.
Ela é de origem animal, rica em colágeno e muito útil para a saúde do nosso corpo.
Fortalece os ossos, cuida das articulações e evita a flacidez natural da pele.
No entanto, neste post, não vamos pensar na gelatina como sobremesa, comida de uma dieta de emagrecimento ou tratamento para os ossos.
O que trouxemos é uma utilidade da gelatina ainda desconhecida pela maioria:  tratamento para os cabelos.

Duvida?

A gelatina também é rica em queratina, um composto que fortalece e estimula o crescimento dos cabelos.
O mais maravilhoso é que seus os efeitos no cabelo são tanto externos, quanto internos – o que faz deste um tratamento intenso.
Quer saber como se faz a receita de gelatina para os cabelos?
Então vamos lá!
Lembre-se: a quantidade vai depender do comprimento do seu cabelo, mas vamos pensar, para esta receita, em cabelos medianos.

Modo de Preparo:

Coloque a gelatina na água quente e mexa um pouco para dissolver tudo.
Em seguida, adicione as duas colheres de xampu e misture bem.
Feito isso, deixe esfriar um pouco.
Quando o creme estiver morno, aplique nos cabelos.
Deixe agir por 15 minutos e depois lave em água corrente.
Você pode realizar o procedimento vária vezes por mês.
Seu cabelo ficará mais forte, mais bonito e bem volumoso.
Mas repetimos: para esta receita, só serve a gelatina incolor e sem sabor.

Ingredientes


Cauterização Alisadora Caseira para deixar suas madeixas arrasadoras

952188000.jpg
.
INGREDIENTES:
  • 50 ml de queratina cremosa
  • 50 ml de leite alisante
  • 50 ml de defrisante
  • 50 ml de pomada alisadora
  • 10 ml de fluído alisador

Modo de Preparo:

  • Misture todos os ingredientes de forma que fique bem homogêneo.
  • Em seguida, Lave bem o cabelo com o shampoo, seque com o secador e tire todo o excesso de água.
  • Divida o cabelo em partes, e com um pincel, espalhe mecha por mecha toda essa mistura.
  • Escove os cabelos puxando bem os fios.
  • Após estar escovados, divida o cabelo novamente e pranche-o bem.
  • Aguarde o cabelo descansar por 8 horas e enxague com água.
* Esses produtos são facilmente encontrados em lojas para cabelereiros

sábado, 26 de março de 2016

Ex-deputado Pedro Correa cita Lula e ministro do TCU em delação


Tucano Aécio Neves e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso também foram mencionados pelo ex-presidente do PP, diz jornal

O ex-deputado Pedro Corrêa na CPI da Petrobras
O ex-deputado Pedro Corrêa (Vagner Rosario/VEJA)
O ex-deputado federal Pedro Correa, ex-presidente do PP, citou políticos da base do governo e da oposição, além de um ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), em sua delação premiada, que teve trechos divulgados nesta sexta-feira pelo jornal Folha de S. Paulo. A delação do ex-deputado tem pouco mais de 70 anexos, cada um com um tema. Em cinco anexos do acordo são citados os nomes da presidente Dilma Rousseff e, em outros cinco, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Um dos fatos apontados por Pedro Correa envolvendo o ex-presidente Lula é uma reunião entre os dois, o então ministro da Casa Civil José Dirceu, e José Eduardo Dutra, na época presidente da Petrobras. Nessa reunião, teria sido acertada a nomeação de Paulo Roberto Costa para o cargo de diretor da Petrobras. A informação havia sido adiantada por VEJA no ano passado.
De acordo com o relato, José Eduardo Dutra, que morreu no ano passado, era contra a nomeação mas Lula atuou a favor de Paulo Roberto Costa, que depois foi o primeiro delator da Operação Lava Jato. José Eduardo Dutra teria dito na reunião: "Mas Lula, eu entendo a posição do conselho. Não é da tradição da Petrobras, assim, sem mais nem menos, trocar o diretor". Lula teria respondido "Se fossemos pensar em tradição, nem você era presidente da Petrobras e nem eu era presidente da República".
Em outro anexo, intitulado "mesada de Augusto Nardes", ministro do TCU. Segundo a reportagem, Correa afirmou que, entre 2003 e 2005, quando Nardes era deputado federal pelo PP, ele estava entre os nomes da bancada da Câmara que recebiam propina arrecadada pelo deputado José Janene, morto em 2010, junto à Petrobras e a outros órgãos com diretorias indicadas pelo PP.
O ex-deputado também apresentou uma lista de operadores de propina, que incluiu o nome de Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e uma de suas principais assessoras, como a responsável por conduzir movimentações financeiras ligadas ao tucano.
A lista também traz nomes como Marcos Valério, operador do mensalão, e Benedito Oliveira, investigado na Operação Acrônimo, que apura suspeitas de irregularidades na campanha de Fernando Pimentel (PT) ao governo de Minas Gerais em 2014.
Ainda de acordo com a Folha, a delação tem um anexo sobre o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que tem como foco a votação que aprovou a emenda constitucional da reeleição em 1997. Conforme o relato, o o ex-presidente contou com apoio financeiro do empresariado para aprovar o projeto da reeleição.
O então presidente do conselho de administração do Banco Itaú, Olavo Setubal, morto em 2008, é um dos que teriam ajudado FHC. "Olavo Setubal dava bilhetes a parlamentares que acabavam de votar, para que se encaminhassem a um doleiro em Brasília e recebessem propinas em dólares americanos" diz o texto.
O jornal avalia que, apesar das revelações, há pouca prova documental apresentada pelo ex-parlamentar. Pedro Correa deve começar a prestar depoimentos e a apresentar as provas que tem a partir da semana que vem.
Resposta - Augusto Nardes afirmou ao jornal que o envolvimento seu envolvimento delação é "uma retaliação pela oposição que fazia dentro do PP". Acrescenta que foi candidato independente e não contou com o apoio de Pedro Correa.
O senador Aécio Neves afirmou que Andrea Neves, irmã dele, não conhece e jamais teve contato com Pedro Correa. O senador reforçou que repudia as falsas acusações mais uma vez repetidas sem indícios de comprovação. Já o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso classificou o relato como "ridículo".
O presidente do Itaú, Roberto Setúbal, disse ao jornal que fica "profundamente indignado" ao ver o nome do pai dele, Olavo Setúbal, "absurdamente envolvido numa história sem comprovações".
Já o Instituto Lula disse que não comenta falatórios e "quem quiser levantar suspeitas em relação a Lula que apresente provas.
(Da redação)

Fortune coloca Moro em 13.º lugar do ranking ‘maiores líderes’ do planeta

Tradicional publicação americana compara juiz da Operação Lava Jato ao famoso Eliot Ness, do FBI, que derrubou o império de Al Capone na Chicago dos anos 1930

A revista americana Fortune, em sua edição publicada nesta quinta-feira, 24, colocou o juiz Sérgio Moro no 13.º lugar do ranking ‘maiores líderes’ do planeta.
A lista tem cinquenta nomes. O juiz da Operação Lava Jato – investigação sobre esquema de corrupção, cartel e propinas na Petrobrás, entre 2004 e 2014 – é o único brasileiro no index, surgindo à frente do vocalista Bono Vox, da banda irlandesa U2.
Segundo a tradicional publicação, Moro é o Eliot Ness brasileiro, uma referência ao famoso agente do FBI americano que derrubou o império de Al Capone em Chicago, nos anos 1930. Ness inspirou o filme ‘Os Intocáveis’.
Em dezembro, o prestigioso jornal francês Le Monde publicou um perfil de Moro. A jornalista Claire Gatinois descreve o magistrado como ‘um pequeno juiz de província’, ‘moreno de queixo quadrado’, ‘odiado e temido por políticos’, mas ‘adulado pelos cidadãos brasileiros’.
O jornal afirmou que a Lava Jato é um escândalo que pode transformar o Brasil e comparou Moro a Eliot Ness.

quinta-feira, 24 de março de 2016

Lula tem plano secreto para evitar prisão: pedir asilo à Itália


Ex-presidente e aliados estudam requerer que país europeu o receba como perseguido político. Itália foi escolhida porque sua família tem dupla cidadania

GUERRA NA JUSTIÇA - O ex-presidente: sua nomeação para a Casa Civil deflagrou uma guerra na Justiça. Por enquanto, nada de ministério
GUERRA NA JUSTIÇA - O ex-presidente: sua nomeação para a Casa Civil deflagrou uma guerra na Justiça. Por enquanto, nada de ministério(Ricardo Stuckert/Instituto Lula/VEJA)
Numa crise que já revelou tramas e enredos antes inimagináveis, nada mais parece capaz de provocar surpresa nem espanto - e, no entanto, surpresa e espanto insistem em aparecer. Nos últimos dias, VEJA apurou o fio da meada que leva a um plano secreto destinado a tirar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva do Brasil, caso sua prisão seja decretada. O plano prevê que Lula pediria asilo a uma embaixada, de preferência a da Itália, depois de negociar uma espécie de salvo-conduto no Congresso, que lhe daria permissão para deslocar-se da embaixada até o aeroporto sem ser detido - e, do aeroporto, voaria para o país do asilo.

quarta-feira, 23 de março de 2016

Lista apreendida com diretor da Odebrecht está servindo para o PT fazer terrorismo anti-impeachment


Relação de políticos que teriam recebido doações — não se sabe se legais ou ilegais — está servindo para a companheirada propor a impunidade ampla, geral e irrestrita

Os dias nunca foram tão propícios para a mistura de alhos com bugalhos. E, em momentos assim, a chance de que se faça a escolha errada, porque é sempre a mais fácil de entender, é gigantesca.
Durante a 23ª Fase da Operação Lava Jato, apreenderam-se planilhas com os respectivos nomes de mais de 200 políticos, de 18 partidos. Elas traziam o registro de doações eleitorais feitas pela Odebrecht. Estavam em um dos endereços de Benedicto Barbosa Júnior, o BJ, um dos diretores da empresa.
Os valores se referem a doações feitas nas eleições de 2012 e 2014. Há, como se espera, uma penca de políticos da base governista lá, mas também contam da relação nomes da oposição, como os tucanos Aécio Neves e José Serra e o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos.
Os documentos não foram examinados ainda pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal. Não dá para saber se:
a: são doações legais ou ilegais;
b: se a doação foi efetivamente feita em todos os casos;
c: ainda que feita e na hipótese de o candidato não tê-la registrado, se o dinheiro não foi transferido para o partido para que este doasse ao candidato.
Com o fim do sigilo de todos os documentos, a lista se tornou pública. Só agora, depois de estar circulando em todo canto, o juiz Sérgio Moro decretou o sigilo da investigação. Bom, para efeitos da boataria, a Inês é morta, certo? E mais de 200 políticos estão sob suspeição, embora não se tenha investigado ainda coisa nenhuma.
Adivinha quem está batendo bumbo nas redes sociais, sorrindo de orelha a orelha? Acertou quem respondeu: “Os petistas”. Sim, eles não veem a hora de decretar que todo mundo e igual e que, portanto, eles não fizeram nada demais.
Algumas questões interessantes para o leitor pensar.
1: De fato, a lista evidenciou que a Odebrecht talvez seja a maior financiadora de campanhas do país. Se o fizesse dentro da lei, não haveria, em si, mal nenhum nisso. Mas, como confessa a sua própria nota, tornada pública ontem, não e assim.
2: O documento não estava no arquivo do tal departamento de “Operações Estruturadas”, que, segundo os investigadores, respondia pela contabilidade das operações ilegais da Odebrecht.
3: mais interessante de tudo: Dilma disputou a eleição em 2014, e seu nome não está lista. Mas está lá o de Demóstenes Torres, cassado em 2012. E, por óbvio, não disputou aquela eleição nem a seguinte.
Vamos pôr um pouco de ordem na bagunça.
Caixa dois em campanha eleitoral é crime, e tem de haver punição. Assim, se for o caso, que se puna, então. Mas convém ficar atento à sem-vergonhice a que os petistas já deram início.
Venham cá: tanto mensalão como petrolão são apenas casos, com o definiu o patriota Delúbio Soares, de “recursos não-contabilizados” de campanha? Vamos cair nessa esparrela e nessa mentira?
Então um plano arquitetado para assaltar o Estado de Direito, para fazer do Estado brasileiro mero quintal de manobra dos interesses petistas, que se espraia por todos os entes públicos e afins — fundos de pensão, por exemplo —, será agora reduzido à mera dimensão de um problema de financiamento de campanha?
Ainda que todos os políticos que estão na lista tenham recebido dinheiro do caixa dois, é essa lista que evidencia a natureza do petrolão? Que favor Aécio, Serra, Jarbas Vasconcelos ou Raul Jungmann poderiam fazer à Odebrecht?
Eis aí um bom caminho do desvirtuamento. E não se trata de poupar este ou aquele para condenar o PT, mas de entender a natureza do jogo.
Para fazer terror
A lista está servindo para fazer terrorismo. Os petistas agora estão espalhando pelos quatro cantos que, caso Dilma caia, ela será apenas a primeira; que a divulgação da lista, sem investigação nenhuma, é parte da estratégia de Sérgio Moro e do MP para desmoralizar a política e os políticos; que ou todos se salvam, ou todos morrem abraçados. E vai por aí.
Ou por outra: a divulgação da lista, sem nenhum critério, está servindo aos interesses dos que pretendem assar uma enorme pizza.
E não se enganem: o jogo vai ser a cada dia mais complexo. Os petistas estão mais felizes hoje do que estavam ontem.